Adriano Magallães da Nobrega, acusado de chefiar a milícia Escritório do Crime, foi morto durante uma operação policial no interior da Bahia no último domingo (10), sua morte trouxe de volta as ligações dele com o hoje senador Flávio Bolsonaro (sem partido), filho número 01 do presidente Jair Bolsonaro.

Essas ligações vieram a público por causa de duas investigações: um suposto esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro, quando assessores devolvem parte dos salários, e o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL).

comentários